Megan Thee Stallion lança o videoclipe “Her”


Megan Thee Stallion se abriu sobre assumir o controle da narrativa em seu segundo álbum “Traumazine” e também deu à música “Her” um audiovisual.

A rapper de Houston parou na Apple Music para falar com Ebro e Nadeska sobre o processo por trás do álbum “Traumazine” e disse que sua vulnerabilidade no registro veio depois que ela se cansou de pessoas falando por ela.

Eu não escrevo músicas sobre como me sinto, escrevo músicas sobre como quero me sentir”, disse Meg. “Então eu sinto que neste álbum, é provavelmente a primeira vez que eu descobri como falar sobre o que eu quero dizer… me expressar um pouco mais. Então é assim que eu tenho vivido a vida.”

Ela continuou: “E eu sinto que tem sido tão fácil para as pessoas contarem minha história para mim, falarem em meu nome porque eu sou uma pessoa indiferente, eu sinto. E as pessoas estão falando sobre mim e eu fico tipo, ok. Mas, como vejo agora, pode ficar fora de controle, então sinto que queria apenas assumir o controle da minha narrativa, assumir o controle da minha própria história. Diga do meu jeito, diga de mim.”

Eu só não estou falando sobre como eu realmente me sinto na minha música. Eu nunca consegui realmente descobrir como falar sobre como me sentia e ainda fazer isso soar bem. Tipo, como posso entrar aqui em uma batida que eu gosto e falar sobre algo que me deixa triste?

Em outra parte da entrevista, ela refletiu sobre a morte de sua mãe Holly Thomas, que faleceu de um tumor cerebral em 2019, e disse que sua morte ainda a abalou até hoje.

Quando eu fazia algo de bom, minha mãe podia dizer: ‘bom trabalho… isso foi bom… nós fizemos isso’, disse Meg. “Eu sinto que agora eu teria sido capaz de me recompor quando falo sobre minha mãe, mas toda vez que falo sobre minha mãe, não consigo segurar.

Ela acrescentou: “Ela era tão legal e eu confiava muito nela. E a opinião dela significava muito para mim. E eu sinto que quando ela dissesse que eu fiz um bom trabalho, seria como ‘ok, eu fiz isso’. Fiz um bom trabalho’, mas agora, quando faço, fico tipo, ‘ok, o que vem a seguir?’ Porque eu não sei se estou fazendo um trabalho tão bom.

Juntamente com a entrevista, Megan Thee Stallion também lançou o visual em preto e branco de “Her”, que mostra a jovem de 27 anos abordando os mesmos haters que tentaram caluniar seu nome nos últimos anos.

Todo esse ódio me dando um rosto bonito/Eu como ódio, é por isso que eu não tenho cintura/Quanto mais putas odiando, mais dinheiro eu ganho ”, canta Meg.

Meg acrescentou em sua entrevista à Apple Music que, apesar de todas essas dificuldades, ela está no caminho da recuperação.

Conversamos sobre isso um pouco antes e sinto que não estou fazendo o suficiente”, disse Meg. “Essa é provavelmente uma delas. Mas eu sinto que está tudo bem, como eu disse, está tudo bem não estar bem. Ainda não tenho a resposta. Não sei como me sinto agora. Sinto-me melhor do que me sentia há seis meses. Todas essas experiências e todas essas emoções eu já escrevi sobre isso. E agora quero começar a escrever sobre como saí do Traumazine. Quem sou eu hoje? Ainda não sei, mas estamos chegando lá.

Confira o clipe de “Her” abaixo:



Fonte: Zona Suburbana.

Comentários Facebook