Bizarrap, um fenômeno mundial que você deveria conhecer


Cada dia mais pessoas tem ouvido falar do famoso produtor argentino escondido atrás de seu boné e óculos escuros: Bizarrap. As suas sessões se tornaram um dos maiores fenômenos nas plataformas audiovisuais da língua espanhola, acumulando um total de mais de 3 bilhões de peças. Isso é muito a dizer.

O fato é que Bizarrap conseguiu se destacar como produtor no meio de uma indústria muito competitiva, e apesar disso e do fato do seu trabalho ter entrado pela porta grande, ele continua sendo uma figura respeitada que mantém uma base firme dentro da cultura. Por que dizemos isto? Vamos falar sobre o fenômeno Bizarrap e o que ele está nos trazendo com o seu trabalho. O material deste produtor é perfeito para acompanhar o seu tempo de diversão no bizzocasino.com/br.

A maior visibilidade que o produtor tem tido

A evolução do rap tem gradualmente tornado invisível a figura dos produtores, especialmente no cenário de língua espanhola. O abandono das formações musicais, nas quais todos os membros ganharam destaque, como no caso de grupos míticos como o SFDK, deixou de ser uma constante com as novas dinâmicas de produção musical que surgiram a partir de 2010.

A colaboração entre artistas tornou-se muito mais comum, mudando os produtores, e a figura do mc, que no final foi quem colocou a cara na música, tornou-se muito mais proeminente. Acho que todos nós podemos concordar com isso.

No entanto, nos últimos anos, isto mudou ligeiramente. Os produtores ainda estão em segundo plano, mas há uma maior reivindicação do seu trabalho por parte dos artistas, um protagonismo maior, e o público também reflete uma preferência por seguir os seus passos.

Podemos ver figuras como Sceno, que se tornou muito relevante para o seu trabalho com Foyone, ou Blasfem, que também acaba de lançar seu primeiro álbum solo.

Mas claramente, a Bizarrap é a figura internacional que tornou os produtores mais visíveis. Porque embora as suas sessões consistam em convidar artistas para fazer rap sobre as suas bases, ele ainda é o protagonista. Ele deu a volta a esta dinâmica de várias maneiras.

Para começar, o seu nome está sempre em frente ao mc, e nas sessões, mesmo que ele esteja em segundo plano, ele aparece constantemente. Isto, reforçado pelo fato de que eles acontecem no seu quarto, deixa claro quem é dono do espaço, quem é o protagonista e quem orquestrou tudo para que você tenha os seus ouvidos queimando.

É uma declaração de intenções brutal, que o coloca na frente dos grandes artistas que ele convida, como Residente ou Nathy Peluso, e que mostra que um produtor é importante, tornando seu trabalho visível.

Os convidados desconhecidos

O outro grande ponto positivo do trabalho da Bizarrap é o puro Hip-Hop. A sala de gravação do produtor argentino já viu grandes nomes como Nicky Jam e Eladio Carrión, o que é normal dada a fama de sua plataforma. Quem não gostaria de esfregar os ombros com artistas de tal estatura?

Mas periodicamente, artistas menos conhecidos também aparecem e são catapultados pelo argentino através da sua plataforma. Um pouco como Toteking faz com os seus álbuns, estes artistas ajudam outros que consideram talentosos a alcançar um público mais amplo.

O último caso de Bizarrap foi a pista com Villano Antillano, um artista trans porto-riquenho com o qual ele também tornou visível um espectro do gênero que ainda hoje é muito discriminado, e que resultou em uma das sessões mais poderosas que vimos do argentino.

As sessões com o Biza são inesperadas, e esse mistério é, em parte, o que lhes dá o seu sucesso brutal, o inesperado. E embora às vezes eles caiam no mainstream puro e simples, muitos outros nos surpreenderam com artistas sobre os quais não tínhamos nenhum controle.

Temos até que pensar que quando artistas espanhóis como Morad, Bejo ou Ptazeta chegaram, eles podem não ser tão conhecidos na cena latino-americana, o que encoraja muito o intercâmbio musical com a cena espanhola, com a qual está conectada por idioma, mas lembremos que está separada por um oceano.



Fonte: Zona Suburbana.

Comentários Facebook